Notícia
            Informações             Notícias             Máscaras no Abraão
Máscaras no Abraão 08 de Setembro de 2020 Informativo Conheça um dos projetos beneficiados pelo Fundo Emergencial de Ajuda aos Pobres
Máscaras no Abraão
A a     

A Província Brasileira da Congregação da Missão, preocupada com o avanço da pandemia e a falta de equipamentos adequados e suficientes para garantir a segurança da população e dos profissionais da saúde, está apoiando a distribuição de equipamentos de proteção individual, remédios e cestas básicas para as comunidades afetadas pelo COVID-19.

No âmbito do Fundo Emergencial de Ajuda aos Pobres, instituído no mês de junho, a Província promoveu o financiamento de equipamentos de proteção individual, cartazes e informes sobre o combate ao vírus, com também cestas básicas para a comunidade da Vila do Abraão, em Ilha Grande/RJ.

O objetivo desta ação está em colaborar na segurança da população da Vila do Abraão, participando de uma rede de solidariedade local, formada por instituições públicas e privadas para atuar em conjunto na adoção de medidas básicas de proteção contra o avanço do COVID-19.

Na região, localizada ao sul do Estado do Rio de Janeiro, situada no município de Angra dos Reis, a pandemia causada pelo novo Coronavírus obrigou o fechamento das atividades turísticas, por mais de 150 dias. Apenas setores essenciais da economia permaneceram em funcionamento, tais como mercados, farmácias e padarias. Visto que a economia local depende basicamente do turismo, a população enfrentou momentos de dificuldade.

Lua Savoret possui uma casa de veraneio na localidade e se sensibilizou com a situação: "A gente resolveu vir para a Ilha Grande no dia 19 de junho, para ficarmos confinados aqui. Quando a gente chegou, vimos que muita gente não usava máscara. A Ilha estava fechada com acesso permitido só para moradores, só entrava com carteirinha. E, chegando aqui, depois de passar dois meses no Rio, vendo bastante gente usar máscara na rua, a gente ficou um pouco assustado com a quantidade de moradores que não usava máscara aqui. Foi daí que surgiu a ideia de fazer alguma coisa a respeito, tanto com cartazes informativos quanto com a distribuição de máscaras.

Bernardo Nort contou que a parceria com a Brigada Mirim rendeu um teor simultaneamente pedagógico e ecológico e partilhou um pouco sobre as dificuldades de se desenvolver um projeto desse porte: "Eu e a Lu não somos moradores fixos do Abraão. A Lu já morou aqui quando pequena, mas somos consideramos ousiders aqui, estrangeiros. A dificuldade estava em não conhecer os mobilizadores, os agentes sociais da região. A primeira dificuldade foi relacionar, criar essa rede de mobilizadores, com a brigada Mirim. Em um segundo momento foi fazer o transporte e conseguir que esse transporte fosse o mais barato possível, ou gratuito. A outra grande dificuldade foi fazer o vídeo de registro, tanto para conseguir um câmera man quanto a edição. Todo o trabalho foi voluntário. E por último, a grande dificuldade foi a conscientização dos moradores e a aplicação desta medida de segurança, que é usar a máscara. Então, apesar de ter havido o projeto, da Ilha já ter reaberta, do turismo estar voltando, apesar das pessoas terem consciência da existência do Corona, elas são muito resistentes a usar máscaras. A distribuição já foi feita através de corpo a corpo na rua. Mas as pessoas continuam sem usar máscaras nas ruas. Então a principal dificuldade do projeto é conseguir mais máscaras para que a campanha não acabe, porque a pandemia ainda não acabou."

Além do financiamento da Província Brasileira da Congregação da Missão, Bernando e Lua contaram também com a contribuição de Ronaldo, da Objetiva, Hugo Fernandes Figueira, Zé Castro, Secretaria de Ilha Grande, Associação de Moradores do Abraão e Brigada Mirim Ecológica.

Os voluntários do projeto prepararam um vídeo que apresenta imagens atuais da região, alguns relatos de frequentadores e participantes do projeto Máscaras no Abraão em ação. Dirigido por Bernando Nort e Lua Savoret, com direção de fotografia de Hugo Fernandes Figueira e produção de Ana Velasco, Audrey Nóbrega, Luana Ventura, Lucas Edwin, Rafael Marques, Stephane Quaresma, Tatiane Diniz e Ulisses Mansur e edição de José Castro o filme mostra como o projeto envolveu a comunidade.

 

Compartilhe esta notícia:
Nome:
E-mail:
E-mail do amigo:
Últimas Notícias